sexta-feira, 19 de abril de 2013

Há vezes em que se não pode deixar de fazer um elogio

A polícia portuguesa (PSP, PJ e GNR sem distinção) é educada e profissional. É um motivo de orgulho para todos nós. Se abusadores há (e acaba por havê-los, como em todas as profissões) são espaçados por anos. Há que reconhecer que a imagem do polícia bruto e intolerante, uma besta quadrada em duas pernas, já morreu há mais de trinta anos atrás.

Quando ouço alguns espécimes que se assemelham fisicamente aos seres da espécie Homo Sapiens Sapiens javardar o comportamento das nossas polícias, apetece-me mandá-los para África, onde estive. Ou para a Coreia do Norte, Cuba, Venezuela e outros países onde a polícia é parte do aparelho de repressão. Nada disto, felizmente, encontramos em Portugal onde a polícia, se de algo pode ser acusada, é de excesso de contenção e de civilidade para quem não a merece.

Aos agentes e comandantes e soldados e investigadores e tantos outros que zelam pela nossa segurança e pela limpeza (a raiz da palavra italiana polizia) dos elementos perturbadores da nossa ordem social, estendo o meu sincero elogio.

(Em jeito de remoque, não posso estender este elogio aos nossos legisladores, aos nossos advogados e aos nossos juízes. Quando um caso como o de Isaltino de Morais consegue andar anos a fio sem nada de concreto, algo anda mal na justiça injusta da República Portuguesa.)