quinta-feira, 25 de abril de 2013

Bomba chinesa ao retardador

Para quem me pergunta, há muito que digo que a economia chinesa não é tão boa como diz que é. As taxas de crescimento da economia chinesa são baseadas em estatísticas iguais às soviéticas: falsas.

Uma agência de investimento baseada em Hong Kong, a Robeco, parece concordar comigo, neste artigo. A Robeco espera que a China entre em recessão de surpresa, quando estoirarem as várias bolhas dentro do país: a imobiliária, a industrial, a do crédito, a da dívida das cidades e tantas outras bolhas que nem nos apercebemos que estão lá.

A esta há que adicionar a mentira estatística.

Mas o que é isso significa para os portugueses? Em primeiro lugar, a China é um dos países onde as nossas exportações mais crescem: as exportações de bens quase duplicaram em 2012. Por outro lado, entrando a China em recessão, arrastará os Estados Unidos, outro país de bolhas prestes a estalar, outro dos nossos maiores mercados.

As exportações poderiam ter crescido mais, mas tivemos estivadores em greve durante os últimos meses do ano, e isso afectou muito a capacidade de as empresas entregarem a sua produção além-mar. Especialmente antes do Natal.

Em jeito de remoque, temos de considerar a possibilidade de exportar os nossos estivadores, se alguém algures for louco o suficiente para os tomar. Ou pura e simplesmente privatizar os nossos portos com zero canga em recursos humanos.