terça-feira, 28 de abril de 2015

Já ouvi falar de mentirologia, mas isto passa os limites.

Avalanche no Evereste provocada pelo aquecimento global! Flato nas vacas,

Eu gosto de ciência, mas detesto os cientistas. A explicação é simples: uma vez, quando andava nessas andanças de doutoramento, fui a uma conferência de astrónomos, já que andava a fazer um instrumento para astronomia. E pouco se falou de astronomia. Falou-se de financiamento para a astronomia, de falta de bolsas de doutoramento e de pós-doutoramento, de falta de fundos para viagens a congressos e da chatice que era alguns deles terem de dar aulas em vez de se dedicarem a 100% a gastar os dinheiros para o seu diletantismo em coisas espúrias e viagens a congressos. Falou-se, portanto de política da astronomia, o que pouco tem a ver com o estudo dos astros. Se houve alguém que viu estrelas naquela reunião, confesso que fui eu. Aquela galáxia era quase toda (uma exceção, que não nomeio porque, enfim, já nem me lembro do nome) de anãs castanhas. Sem brilho, esperando a morte.

Uns iluminados auto-intitulados cientistas de alterações climáticas afirmam à boca cheia que os terramotos se devem às alterações do clima, como se relata na Newsweek, uma revista bastante liberal-demonocrápula, e cientificamente incoerente. A revista apenas pode publicar estas coisas porque, enfim, o povo do Kool-Aid, os democratas, desligam o cérebro e aceitam tudo o que venha do estabelecimento governativo do Santo Obama.

Quem não distingue meteorologia (aliás mentirologia) de geologia (ou pedregulhologia) e engole estas coisas deve perguntar-se se o seu cérebro já está em avançado estado de fossilização.

Socialista, da próxima vez que estiver a mandar um sonoro flato, estará a contribuir para que algures no mundo um abalo sísmico se produza. Se é votante no PS ou no PCP ou no BE deve tirar daí as consequências e colocar uma rolha no cu. Sendo que é desse orifício que saem os estudos e as afirmações socialistas, teremos a vantagem de muito silêncio e de um debate científico mais, enfim... científico.