sexta-feira, 23 de maio de 2014

Votar no mal menor

«Pois eu não penso votar em nenhum!»
«Pois fica a saber que depois não te poderás queixar!»

Depois de muito pensar, irei votar na Aliança Portugal (PSD e CDS). São os males menores. Infelizmente não posso votar em partidos eurocéticos com uma mensagem que se aproximasse do que penso, porque em Portugal é mal merecedor de chicote ser-se desconfiado da bondade da presente União Europeia.

Os partidos eurocéticos que há são no mínimo ridículos. Não há partidos liberais na economia e conservadores na ordem social em Portugal. Não temos um Nigel Farage. Nunca teremos um Godfrey Bloom.

Talvez o jornal O Observador propicie um espaço em que ideias, e não quadrantes políticos, sejam discutidos por valerem o que valem. Ou um espao que esteja rendido à extrema esquerda e capturado pelos interesses dos empreiteiros que querem investimento público em nome das pessoas (eles são as pessoas, é claro, e o povo, que não é feito de pessoas, entra com a carteira).

Mais vale votar Domingo num mal menor do que suportar depois o mal maior.