quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Jim Rogers sobre a Rússia, a China, o Irão, mas não as vacas.

É de ler a entrevista Jim Rogers on Opportunities in Russia and Other Hated Markets.

Jim Rogers, autor e investidor americano, baseado, pelo sim, pelo não, em Singapura.

Jim Rogers foi Sócio de George Soros (ora de quem!) nos anos 70, no Quantum Fund.

Mas o que é que ele disse na entrevista? Vejamos como a abriu:

Bom, eu estou optimista quanto ao futuro da Rússia. Estava optimista antes de esta guerra começar na Ucrânia, a qual foi instigada pelos Estados Unidos, claro. Mas em qualquer caso eu comprei mais Rússia durante o incidente da Crimeia, e estou à procura de comprar mais.

Infelizmente, o que está a acontecer não é bom para os Estados Unidos. Está a aproximar a Rússia e a Ásia, o que significa que iremos sofrer no longo termo — os Estados Unidos e a Europa. Outro dos quatro grandes bancos chineses abriu recentemente um escritório em Moscovo. Os iranianos estão a aproximar-se dos russos. Os russos terminaram recentemente uma via férrea pela Coreia do Norte até Rason, que é o porto asiático mais setentrional sem gelo. Os russos puseram uma pipa de massa no Trans-Siberiano para a modernizar, e isso vai tudo através da China.

O resto da entrevista é muito elucidativo. Eu nem concordo muito com Rogers depois do fim dos anos 90, mas acho que nesta entrevista não se desviou muito da verdade.

A velha Europa está acabada. Pessoas como a Merkel, receio, não abundam nesta ilusão de que podemos todos viver à farta e lauta se mutualizarmos a dívida. Isto é, colocar a gestão da dívida nas mãos de uma associação de pelintras. Não é bom negócio para mim.