quarta-feira, 18 de junho de 2014

Se um destes dois estarolas chega ao governo do país, teremos de nos vender à Alemanha

Com dois cérebros assim, estamos bem tramados!

A vida, mesmo se não inteligente, é possível em completo vácuo cerebral, desafiando as leis básicas da termodinâmica. Não só é possível um vácuo perfeito, mas também a vida existir nesse vácuo.

O António Costa descobre que afinal a receita para acabar com a dívida é aumentar a riqueza. Uau, Melga, que brilhante! Essa receita foi tão bem aplicada pelo PS que um governo PS teve de chamar o FMI, de joelhos, para poder pagar os salários desse mesmo mês. O aumento de riqueza do PS dá nisto. E depois vem o PSD consertar as coisas. É bem verdade que este PSD não é muito bom naquilo que quer fazer. Mas vai fazendo. A ponte, se bem que não ofereça muita segurança, não tem caído nem dá mostras de cair. O PSD de Coelho pode ser um desenrascador, mas desenrasca. O PS é que nos enrascou.

Senhor Costa, olhe para o que o seu partido fez, cubra-se de vergonha!

O PS diz que o Rui Rio não foi um bom gestor. E porquê? Porque deixa (veja-se o artigo que ligámos) um superavite de 23,6 milhões de euros na Câmara do Porto e recupera dívida, dívida essa deixada pela administração PS. Ficamos a saber que os socialisatas abominam os superavites. Detestam contas boas. Adoram divida. Para um Gestor PS™, encartado na Escola Dominical de Economia Técnico-Catastrófica, défice é bom, dívida é boa, superavite é mau, contas boas é coisa abominável. Estamos quanto a isto esclarecidos.

Se um daqueles dois, seja qual for, vai para o poder, teremos a via aberta para um quatro resgate chamado pelos desgovernos PS (os primeiros nos anos 70 e 80, o terceiro em 2011). Disto tenho eu a certeza, e a história da dita democracia está lá para me provar certo.